Harmonizando vinhos e pratos apimentados

Harmonizando vinhos e pratos apimentados

Harmonizando vinhos e pratos apimentados

Pimenta e vinho podem se dar bem – e muito! Descubra com o Sonoma como harmonizar alguns dos pratos mais famosos pela “picância”.

Pimenta e vinho podem se dar bem – e muito! Descubra com o Sonoma como harmonizar alguns dos pratos mais famosos pela “picância”.

Basta uma pequena mordida num prato apimentado para que as percepções sobre o vinho à taça mudem por completo. À medida que parece mais seco e amargo, fica menos doce e frutado, isso sem falar que aumenta o calor da boca (fazendo com que o álcool se sobressaia no palato).

É certo que alguém vai dizer ‘bobagem, são detalhes tão pequenos’; e pode até parecer papo de ‘enochato’, mas a verdade é que uma pequena distração na hora de escolher o vinho para acompanhar sua comida picante pode estragar a refeição.

Como harmonizar, então?

Existem dois princípios básicos para guiar qualquer harmonização, contraste e semelhança, e isso diz respeito à intensidade dos sabores e ao peso do prato. Deixando isso de lado por um tempo, pode-se dizer que, de maneira geral, qualquer que seja a quantidade de pimenta na comida, ela vai bem com um vinho bastante frutado, pouco alcoólico e de preferência com um toque de doçura.

Culinária baiana

A comida que sai do recôncavo baiano e que se espalha por todo o litoral do estado é a que tornou-se popular no Brasil e no mundo. A maioria dos pratos, com origem africana, ganha o toque especial do azeite de dendê, leite de coco, coentro, gengibre e muita pimenta – intensidade é, definitivamente, seu forte!

O acarajé, prato mais popular, é a mistura de camarão, pimenta, vatapá e caruru numa massa feijão-fradinho, cebola e sal, frita em azeite de dendê. Ao mesmo tempo que é delicada, pelos frutos do mar, pede mais corpo, acidez e intensidade num vinho, afinal, trata-se de uma massa frita que é recheada de muitos sabores. Sendo assim, um aromático Torrontés de Salta, na Argentina, cairia muito bem; além de um White Zinfandel, que, com suas notas adocicadas, se daria muito bem.

Culinária coreana

Grãos, vegetais e carne – é basicamente esse o princípio da cozinha coreana. Além das pimentas, outros ingredientes marcam presença por lá: óleo de gergelim, shoyu, gengibre, alho, doejang (pasta de feijão) e gochujang (pasta de feijão vermelho fermentado).

Pratos como o bugolgi vão muito bem, por exemplo, com um Pinot Noir chileno, repleto de frutas maduras, que lhe dão, além do caráter frutado, certo toque de doçura.

Culinária indiana

Apesar de ser muito diversa e cada região ter seus pratos típicos, foram os curries que levaram a comida indiana para os quatro cantos. Generalizando, a comida indiana é marcada por temperos, ervas e vegetais, além de frutas.

Os mais pesados, mas com nível de “picância” intermediário, como, por exemplo, rogan josh (cordeiro cozido com especiarias, creme de leite e iogurte), pedem um vinho com mais estrutura. Que tal um Merlot brasileiro, com seus taninos macios, aromas de frutas e especiarias?

Já para os curries, mais apimentados por princípio, é preciso tomar mais cuidado na hora de harmonizar. Para o curry mung korma (franco com iogurte, coentro, cominho, canela, cardamomo, cúrcuma e pimenta-vermelha), indicamos um vinho branco aromático de corpo médio e boa acidez, como um Riesling alemão.

Culinária mexicana

Tacos, nachos, burritos, quesadillas, enchiladas, guacamoles… É da comida “tex mex” que estamos falando! A tendência surgiu nos Estados Unidos, mas definitivamente veio para ficar. E não importa o prato, um item é fundamental: a pimenta, que finaliza todos eles.

Os mais famosos por aqui, os tacos, são feitos originalmente numa tortilha de milho recheada com carne picada, legumes e pimenta. A carne e a pimenta, que parecem comandar o prato – e a harmonização , vão muito bem com um Syrah e suas notas tão picantes quanto do prato.

Culinária tailandesa

Uma das cozinhas mais apimentadas é também a que une os componentes mais aromáticos (e, sim, é da tailandesa que estamos falando!). Alho, gengibre, coentro, capim-limão, chalotas, limão, pasta de camarão, molho de peixe e pimentões fazem a fama dela ao redor do mundo.

Não raro é ver peixes e frutos do mar em pratos tailandeses, como o salmão thai. Delicada e muito aromática… Parece até que é da Gewürztraminer que estamos falando!

Por Gustavo Jazra

Harmoniza com esta matéria:

Leave a comment

Your email address will not be published.


*