Châteauneuf-du-pape

Châteauneuf-du-pape

Châteauneuf-du-pape

Das regiões vinícolas da França, já nasceu até o “vinho do papa”.

Dentre as diversas rotas de vinho do sudeste da França, mais especificamente da região de Côtes du Rhône (Vale do Ródano), Châteauneuf-du-Pape se destaca pelo volume de sua produção: aqui são fabricadas mais hectolitros por ano do que em todo o resto do Vale do Ródano junto.

Antigamente, o cultivo das vinhas em Châteauneuf-du-Pape estava ligado à existência de um castelo papal, que servia de residência de verão para o Papa João XXII. Com o passar do tempo, o castelo foi perdendo sua função junto ao Vaticano, mas a produção de vinho, que também era chamada de “vin du pape” (vinho do Papa) em Châteauneuf-du-Pape, manteve-se com toda a força. Seus produtores se organizaram, redigiram normas de controle e criaram, em 1936, a primeira vinícola AOC (Appellation d´Origine Contrôlée). Entre as normas, está o teor alcoólico de no mínimo 12,5%, a colheita manual e a proibição aos vinhos rosés.

Das treze uvas permitidas em Châteauneuf-du-Pape, as principais são: Grenache, Syrah, Mourvédre, Clairette, Cinsault, Roussanne e Bourboulenc. Com uma produção centrada nos vinhos tintos, Châteauneuf-du-Pape recebe maior destaque pelos vinhos elaborados a partir da uva Grenache: de alto teor alcoólico, tem coloração e sabores acentuados. A maior parte dos vinhos de Châteauneuf é produto de cortes com outras uvas, mas a Grenache está quase sempre presente.

Os vinhos tintos da região suportam armazenamento de 15 a 20 anos e apresentam uma cor em tom rubi, enquanto seu sabor é frutado, quando servidos jovens. Se guardados por mais tempo, ganham uma coloração mais severa e o sabor pode lembrar café e azeitonas pretas.

Por Sonoma Brasil

Leave a comment

Your email address will not be published.


*