Equilíbrio

O equilíbrio de um vinho é um dos principais fatores observados durante uma degustação.

Para ser um bom vinho, seja ele jovem, encorpado ou leve, a bebida deve ter açúcares, acidez, taninos e teor de álcool em harmonia. Isso é o que chamam de vinho equilibrado.

O ideal é que os açúcares estejam sempre balanceados com a acidez, evitando uma bebida muito doce, característica considerada desagradável ao paladar.

Como exemplo de vinho com açúcar em equilíbrio com a acidez, o vinho do Porto é uma excelente opção.

No caso da acidez, o equilíbrio também é fundamental, pois é ele que garante bebidas de alta qualidade e vivacidade.

Nos vinhos brancos e espumantes, a acidez em equilíbrio confere maior frescor e leveza à bebida, enquanto nos tintos a acidez dá personalidade ao vinho.

Os taninos também devem estar em harmonia. Presente nos vinhos tintos, o tanino é um composto fenólico adstringente que causa a sensação de boca amarrada.

Quando surge em alta quantidade no vinho, o tanino se sobressai e torna a bebida áspera e amarga demais. Nesse caso, é possível considerar o vinho como defeituoso.

O equilíbrio também deve aparecer quando se fala do teor alcoólico, pois é ele quem determina o corpo do vinho.

Falta de equilíbrio do álcool é considerado defeito e pode dar a sensação de que a bebida é muito doce, mesmo sem ter resíduo de açúcar.

Outra característica causada pelo álcool em desequilíbrio é a sensação de ardência na boca e dormência da língua, o que prejudica a degustação do vinho.

Portanto, um vinho equilibrado deve ter todas essas características na medida certa.

Por Sonoma Brasil

Vinhos equilibrados você encontra na Sonoma


Quer saber mais? Veja também outros artigos relacionados.