Puglia, uma das maiores da Itália

r3j3y2xdnl2rhkmc0tm1r3j3y2xdnl2rhkmc0tm1

A Puglia fica no extremo leste da Itália e é hoje a maior região vinícola do país, disputando em produção com o Vêneto. Conheça as diferentes regiões da Puglia com Agostino Petroni, que veio diretamente de lá integrar a equipe do Sonoma!

Como um barco navegando entre dois mares, a Puglia conecta há milênios a Europa e Ásia. Ela segue até hoje como uma das regiões mais bonitas da Itália, sempre combatendo junto ao Vêneto o título de maior produtora de vinhos do país.

Na Puglia, você pode se perder no vasto “mar” de milharais, o celeiro da Europa, ou nadar nos seus mares de verdade, que cercam as belas praias da região; Você pode ir da misteriosa floresta Umbra às ruinas de Murge; Você pode seguir pelas seculares oliveiras e animais espalhados pelos campos para chegar à península de Salento, ao Lecce (a pérola barroca do sul da Itália) e à Santa Maria di Leuca (de acordo com a lenda, é a câmara que precede o paraíso).

História e cozinha

A história da Puglia é tão antiga quando o próprio homem. As frutas dos solos têm raízes firmes e ajudam os visitantes a descobrirem lugares e sabores autênticos. Tem muitas maneiras de expressar essas emoções, mas há um incentivo por trás do vinho e da comida que deixa as sensações simbólicas ainda mais complexas. Onde há vinho, também há uma boa cozinha: há história, há paisagens, há arte.

Por trás do vinho e da comida está a história de homens e suas paixões. O vinho evoca os mitos do povo, que sempre deixou marcas e pistas em seu caminho. A maioria das uvas e produtos é nativa e deriva dos elementos do passado.

A Puglia tem todos os elementos para se tornar líder de uma nova tendência. Além do vinho, há muitos outros tesouros: azeites de oliva extravirgens, pães, vegetais, frutas… Produtos que são considerados monumentos vivos de uma cultura de eras passadas.

As regiões da Puglia

Daurnia

É a parte mais ao norte da Puglia, as uvas Montepulciano d’Abruzzo (tinta) e Bombino Biano (branca) dominam a cena. A primeira cria tintos encorpados, e a segunda, fresca e elegante, de estrutura forte e considerável acidez, é usada geralmente para fazer vinhos brancos delicados.

Messapia

É o lar da Primitivo, uma antiga variedade native cujos frutos amadurecem no final de agosto, antes da maioria das uvas (por isso o nome que indica “prematuridade”). Ela produz um vinho encorpado, cheio de caráter e álcool pronunciado. Entre as sub-regiões está a famosa Manduria, Sava e Lizzano.

As vinhas da Primitivo são como pequenos arbustos – muitos com até 80 anos de idade – e dão o seu melhor na região graças ao clima ideal. Não é à toa que a denominação Primitivo di Manduria se tornou tão valorizada.

Valle d’Itria

O coração dos vinhos brancos da Puglia. Seus vinhos com Bianco d’Alessano e Verdeca estão entre os mais famosos da Itália.

Salento

As cidades de Salento formam o parquet da Negroamaro, uva típica da região que cresce quase exclusivamente na Puglia.

O próprio nome não deixa dúvidas quanto à potência desta escura uva – Negroamaro quer dizer “preto preto”, derivando dos termos “niger” (em latim) e “maru” (em grego).

É mais comum encontrar vinhos em que a Negroamaro é usada sozinha, todos bem escuros e de sabores intensos. Quando mesclada, é geralmente acompanhada da Malvasia Nera, outra uva intensa nascida no “salto” da Itália.

Murgia

É preciso falar no plural para se referir a essa região da Puglia. Murgia é um território misto com diferentes paisagens que se originam de um mesmo terreno aos pés do Castel del Monte, seu principal terroir.

– Castel del Monte:

Seu grande trunfo é a uva Nero di Troia – rodeada por antigas lendas que dizem que foi trazida de Tróia pelo herói grego Diomede, ela faz vinhos vigorosos que evoluem bem na guarda. Outras variedades são a Aglianico, a Bombino Bianco, a Bombico Nero, a Montepulciano e a Pampanuto.

– Murgia Adriatica:

A sub-região de Adriatica é a mais regular de toda. É nela que se encontra a preciosa Moscato di Trani, também conhecida como Moscato Reale.

– Bassa Murgia:

Uma área verde, acima de tudo. Os produtores de Gioia del Colle praticamente mantêm uma competição com Manduria pela supremacia na produção da uva Primitivo.

– Murgia dele Gravine:

Uma verdadeira e surpreendente arquitetura natural – com canais, montes de pedra, grutas, cavernas e rios subterrâneos. Além de fascinante, o local tem excelentes vinhos brancos das uvas Bianco d’Alessano, Greco di Tufa e Verdeca.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*