Setúbal, às margens do Rio Sado

Portugal é o país da primeira denominação de origem do mundo. Mas suas tradições vinícolas vão além do Douro, Tejo…

Falar em vinhos portugueses envolve sempre três elementos: os rios, que cortam todo o território e influenciam – e até dão nome – diversas regiões vinícolas; as Quintas, ou pequenas propriedades onde a tradição convive tranquilamente com a modernidade; e as castas nativas portuguesas, que dão origem a vinhos singulares, e que tem se desenvolvido em rótulos de excelente qualidade. E a região de Setúbal tem tudo isso.

Ora pois, vamos explicar tudo. O nome Setúbal indica a cidade, localizada a 32 quilômetros de Lisboa, à Denominação de Origem, que abrange toda a região, e à Península, entre os rios Tejo e Sado. E também remete ao Moscatel de Setúbal, famoso vinho fortificado elaborado na região.

Para conhecer a região, programe-se para visitar as cidades de Palmela e Azeitão. A primeira é o marco da Denominação de Origem, criada em 1907, e que estabelece que os rótulos de Moscatel de Setúbal contenham, no mínimo, 85% da variedade Muscat de Alexandria. Já a segunda parada no destino tem uma justificativa excelente: é a sede de duas importantes vinícolas da região, produtoras de excelentes vinhos.

Um dos rótulos famosos de Setúbal já é conhecido no Brasil: o Periquita. Trocadilhos de linguagem à parte, o vinho é bom. Produzido pela José Maria da Fonseca, segunda maior produtora de Portugal. O vinho é feito com a uva Castelão, que ficou conhecida como Periquita porque era cultivada em um vale onde ainda existiam periquitos selvagens – daí o nome do rótulo. A confusão de nomes foi tanta que a União Europeia regularizou tudo: Periquita é rótulo e a uva fica como Castelão mesmo.

Outro vinho que faz sucesso em qualquer adega é o Quinta da Bacalhoa, produzido pela Bacalhôa com a Cabernet Sauvignon. A qualidade do rótulo é tamanha que ele chega a ser comparado aos tintos de Bordeaux. Ou seja, vale a pena!

Todo esse tour já garantiu espaços na sua adega e rolhas para a coleção, mas ainda falta o prato principal da região: o Moscatel de Setúbal. O vinho fortificado tem dois “modelos”, o Moscatel de Setúbal e o Moscatel Roxo, feito da variedade de mesmo nome. Os dois têm aguardente vínica adicionados durante o processo de fabricação, além de características adocicadas e perfumes típicos. E o que esperar de um Moscatel de Setúbal? Além dos aromas, o sabor da bebida é único, colocando-o no mesmo patamar do vinho do Porto e o Madeira.

Por Clarissa Viana

Os melhores vinhos você encontra na Sonoma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aprenda mais sobre o universo do vinho.

Cadastre seu e-email e receba atualizações notícias e promoções

Por favor, verifique seu email. Por favor, verifique sua cidade.
O que falam da gente

Quer saber mais da Sonoma? Clique em algumas destas matérias para saber mais sobre a empresa.

Close
© 2020 SONOMA. Todos os direitos reservados. Se beber não dirija. Aprecie com moderação. A venda de bebidas alcoólicas é proibida para menores de 18 anos.
Close