Guia Definitivo dos Vinhos de Bordeaux

Guia Definitivo dos Vinhos de Bordeaux

Além de ser a maior, mais antiga e mais prestigiada região vitivinícola do país, Bordeaux tem um dos terroirs mais reconhecidos do mundo dos vinhos, principalmente para os clássicos cortes do Velho Mundo.

Quer virar um “expert” quando o assunto é Bordeaux? É para isso que fizemos este guia!

Um pouco de história

Não é de hoje que Bordeaux é referência no mundo do vinho. Desde a Idade Média, a região tem atraído olhares de outras partes do mundo, principalmente da Inglaterra, que a incorporou à rota mercantilista – isso num tempo em que a maioria das denominações francesas eram praticamente desconhecidas fora do país.

Vamos começar pensando na fama que Bordeaux tem: vinhos elegantes, estruturados, bem feitos. Talvez os mais “franceses” da França. Comprar um Bordeaux é, na maioria das vezes, a certeza de um vinho correto, de um vinho que vai evoluir na guarda, de um vinho complexo, a cara do Velho Mundo.

Isso não quer dizer que não dá para se decepcionar com um Bordeaux. Tampouco quer dizer que não existam rótulos mais simples e baratos. Como saber? Como escolher? Não se preocupe, até o final deste guia você vai saber tudo isso de cor!

Onde está?

Posicionada no litoral sudoeste da França, Bordeaux é uma região entremeada pelos rios Dordogne e Garone, que, ao se encontrarem, dão origem ao Gironde (maior e mais influente que os demais). Seu próprio nome faz referência aos rios (Bordeaux deriva da expressão francesa “au bord de l’eau”, que significa “ao longo das águas”).

Talvez a abundância de águas, tanto dos rios quanto do mar adjacente, seja um dos maiores atributos de Bordeaux. Além de amenizar o clima da região, as águas provêm melhor ambiente para o desenvolvimento das videiras.

De tão extensa que é Bordeaux, a denominação está mais para um conjunto de várias denominações e terroirs. Um antigo ditado de Bordeaux diz que os melhores vinhedos “podem ver o rio”, regiões onde o solo é formado por cascalho e pedras, perfeito para a drenagem da água. A maioria dos principais produtores bordaleses está exatamente nessas localidades (mas isso é assunto para a parte 2 do guia!).

É exatamente por isso que Bordeaux deu tão certo no mundo dos vinhos – ali, as uvas crescem no clima, no solo… No terroir ideal. Existem outras denominações até melhores? Claro que sim, mas Bordeaux ainda é vista como um modelo a ser seguido para que tudo dê certo no final.

Mas nem sempre é igual

Na verdade, é sempre diferente. Mesmo com os rios, o clima da localidade ainda é extremamente delicado, chegando a ponto de ser instável. É justamente por isso que cada safra se diferencia das demais, algo que não se vê na maior parte do Novo Mundo, onde os climas são estáveis.

Em Bordeaux, é possível saber se um vinho é bom única e exclusivamente pela safra. Para os críticos, os anos de 2001 e 2002, por exemplo, foram ruins – seus vinhos, então, mais baratos e menos complexos; Já 2005 e 2009 foram algumas das melhores deste milênio, o que resulta em vinhos que ficam na memória (seja pelos sabores gostosos e persistentes ou pelos altos preços).

Quando a safra é tão boa, fica até difícil encontrar os vinhos no mercado. Os grandes apreciadores compram garrafas e mais garrafas, pois são vinhos que podem evoluir na guarda por muitos anos (10, 20, 50!), característica de Bordeaux que nenhum outro canto do mundo consegue imitar.

Sabe onde estão esses vinhos tão “tops”? Eles estão em leilões, em adegas pouco acessíveis, nas mãos dos colecionadores ou na China…

Negócios da China

Como assim estão na China?! Desde 2011, o consumo dos chineses tem sido de cerca de 1,3 milhão de litros por ano. O país já se tornou o primeiro importador mundial de vinhos de Bordeaux. Além disso, cerca de 30 vinhedos de Bordeaux foram comprados por chineses, e mais dezenas estão sendo negociados.

Pois é, o dragão tem sede de vinho, e encontrou seu pote de ouro justamente em Bordeaux (e ao pé da letra!). Isso porque os vinhos bordaleses, com o passar dos anos, tem índices de rendimento bem maior que outros investimentos tradicionais, como ouro, ações, antiguidades e até diamantes. Dez anos de guarda e o vinho valerá 500% o valor pago na garrafa!

Além disso, para os chineses, toda reunião de negócios que se preze precisa ser finalizada com um brinde de um grande Bordeaux. Do contrário, os convidados levarão como ofensa. Os chineses estão a cada dia mais exigentes, querendo vinhos diferentes e mais especiais.

Por melhor que seja a situação (para os produtores e chineses, claro), ela traz algumas complicações. A começar pelas falsificações. Houve um ano que a China vendeu mais garrafas do Lafite Rothschild que foi produzido no próprio château, nada mais nada menos que o tinto avaliado como o mais caro de todo o mundo.

Corte bordalês

Apesar de vasta, Bordeaux cultiva poucas uvas. São elas Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, Malbec, Petit Verdot, Sauvignon Blanc, Sémillon, Muscadelle e Ugni Blanc. Houve um tempo em que a Carménère também brotava na região, porém foi extinta pela praga da filoxera que devastou parte de Bordeaux (e da Europa inteira).

Não existe uma regra específica quanto às proporções usadas no corte, e também nem todas as cepas precisam estar presentes. Cada uma delas desempenha um papel no corte e contribui de alguma maneira para deixar o vinho redondo, correto. Para se ter uma ideia, a maioria dos rótulos de Bordeaux nem mencionam as uvas que levam.

Como descobrir, então, o que estamos bebendo? Pela região de onde a garrafa vem…

As sub-regiões de Bordeaux

Quanto menor a denominação, melhor o vinho. É por isso que os melhores vinhos de Bordeaux não estampam seu nome no rótulo, mas o da sub-região. E por ser tão grande, a região francesa possui dezenas delas. Difícil seria conhecer todas…

Vamos falar das principais regiões e te ajudar a escolher as que mais gosta de acordo com o estilo de vinho, as uvas, os preços…

Tem a ver com o rio…

Extensa, Bordeaux é formada por diversas comunas. E adivinhe só? Cada uma se tornou uma denominação de origem (ou apelação, como chamam os franceses). Pode parecer frescura, mas não é. Para conseguirem estampar o nome da denominação de onde saíram, os vinhos passam por longas e rigorosas avaliações.

Podemos dizer, de modo geral, que Bordeaux se divide em três partes ao longo do rio Gironde: margem esquerda, margem direita e Entre-Deux-Mers (“entre dois mares”, em francês). Daí, então, já dá para tirar algumas conclusões: à direita do rio, predomina a Merlot, enquanto que à esquerda, Cabernet Sauvignon; já Entre-Deux-Mers é conhecida por seus brancos. Ah, e é bom ter isso sempre em mente, afinal, os vinhos de Bordeaux não costumam estampar a uva no rótulo, mas pela denominação já dá para saber!

Obviamente é muito mais complicado do que parece! Mas vamos simplificando…

Margem esquerda

O que sabe sobre a margem esquerda, tirando o fato de nela predominar o cultivo da Cabernet Sauvignon? É onde estão alguns dos maiores nomes de Bordeaux. São grandes as chances de já ter ouvido falar em alguns dos rótulos e vinícolas de peso que de lá emergiram.

Médoc

Talvez seja essa a sub-região de Bordeaux de maior importância. Ao menos é a primeira a ser lembrada (e a mais cara também…). Formada por seis comunas, das quais quatro são extremamente famosas, Médoc começa na cidade de Bordeaux e se estende por 50 quilômetros ao longo do Gironde.

Saint-Estèphe, Pauillac, Saint-Julien e Margaux são tão prestigiadas justamente por terem o que muitos consideram o melhor terroir de Bordeaux (e estão todas em Médoc!). Não à toa, estão em peso na lista dos primeiros classificados de 1885.

  • Saint-Estèphe

O estilo mais rústico dos vinhos de Saint-Estèphe nasce junto à foz do Gironde. Para contrariar a maioria dos châteaux de Médoc, os daqui preferem Merlot à Cabernet Sauvignon. Mas não espere um Merlot macio, característica tão tradicional uva. Estes são densos e poderosos. É o Château Cos d’Estournel, com seus vinhos ricos e expressivos, que se destaca na região.

  • Pauillac

Château Latife-Rothschild, Château Mouton-Rothschield e Château Latour. Precisa de mais? É em Pauillac que estão 18 dos 61 maiores vinhos de Bordeaux (lembra da classificação de 1885 que mencionamos? Aguarde e descobrirás…). Encorpados e luxuosos, com distintos toques de groselhas negras e oxicoco (cramberry!).

De lá, saem vinhos com potencial de guarda incomparável – de 20, 30, 40, 50 anos! É exatamente por isso que esses vinhos fazem a base do mercado de vinho de investimento. Um leilão de vinhos pelo Sotheby’s? Pode ter certeza que Paulliac será a estrela. E, como já deve estar imaginando, se a escolha for um Pauillac, é bom preparar o bolso com muitos dígitos (mais do que está pensando)!

  • Saint-Julien

Precisos e refinados, certinho, corretos… É assim que são os principais vinhos de Saint-Julien. Destacam-se por lá o Château Ducru-Beaucaillou, Château Gruaud-Larose e Château Gloria (o Bordeaux perfeito para os amantes da região que procuram vinhos a preços um pouco mais acessíveis do que nas outras regiões).

  • Margaux

Além de, obviamente, o Château Margaux (um dos principais do mundo), a região abriga ao menos outras 20 propriedades bem conceituadas. Com um dos solos mais favoráveis de Médoc, composto principalmente de cascalho, é de lá que saem os melhores vinhos das melhores safras. A denominação é conhecida pela elegância, refinamento e generosos aromas de frutas vermelhas, tostado, café e até trufa. Procure vinhos do Château Margaux, Château Palmer, Château Rausan-Ségla e Château Angludet e não se arrependerá!

Graves

Assustado com os preços? Não se preocupe, seu lugar existe e é em Graves, lar dos vinhos mais em conta de Bordeaux.

É da mistura entre cascalho e quartzo que o solo dos melhores châteaux de Graves são compostos. O próprio nome da apelação deriva da palavra francesa “gravier”, que significa cascalho.

Além da Cabernet Sauvignon, variedade que domina a região, Merlot e Cabernet Franc são usadas com bastante frequência. E preste atenção, pois estamos falando de uma das únicas partes de Bordeaux que fazem tanto vinhos tintos como brancos. Em se tratando destes, a maioria resulta do corte de Sémillon e Sauvignon Blanc.

Vinhos de algumas das mais antigas vinícolas de Graves chegavam na Inglaterra antes mesmo do século 12. Sendo assim, no século 16, alguns châteaux já eram conhecidos e tinham sua boa reputação conhecida, como é o caso do Château Haut-Brion, um dos mais tradicionais da região. Tão grande era a fama da propriedade, que é a única representada nos classificados de 1885.

Acontece que, alguns daqueles considerados melhores vinhos de Graves, agora pertencem a uma importante denominação que a região congrega, Pessac-Leógnan. É especificamente de lá que saem os mais conceituados brancos e tintos de Graves.

Sauternes e Barsac

Ao sul de Graves, ainda ao longo das margens do Gironde, estão situadas as comunas mais doces de Bordeaux. É de Sauternes e Barsac que estamos falando, provavelmente as mais devotas aos vinhos de sobremesa. Mais do que simplesmente doces, com deliciosas notas de mel e damasco, equilibram como nenhum outro acidez e álcool. Além de Sémillon, cepa que reina na região, alguns vinhos também contém Sauvignon Blanc, ambas atingidas com a dita “podridão nobre”… “Podridão nobre?!” Isso mesmo, clique e saiba mais sobre ela (não se preocupe, ela é do bem!).

O clima é um fator tão determinante para que as uvas sejam naturalmente atingidas pelo fungo, que os melhores châteaux simplesmente se recusam a vinificá-las nos anos em que umidade e calor não foram ideais. Para se ter uma ideia, um dos mais renomados, o Château d’Yquem, não chega a produzir uma garrafa sequer ao menos duas vezes numa década. Parece loucura, mas preferem lidar com os prejuízos de um ano sem produção a abaixar o padrão de qualidade de seus vinhos.

Margem direita

Cruzar a margem do Gironde é como viajar para outra região. As comunas à direita em nada lembram as da margem esquerda, com luxuosos châteaux e vinhedos enormes. São mais modestas , menos conhecidas (com uma exceção) e, além disso, quem domina a região é a Merlot, e não a Cabernet.

Saint-Émilion

Quanto menor o vinhedo, menos mão de obra necessária, certo? É isso mesmo que acontece em Saint-Emilion, e justamente por essa razão que os vinhos são, em sua maioria, feitos pela própria família dona da propriedade. Um dado curioso sobre a região apenas confirma o fato: para cada três habitantes existe um château.

Diferente das outras, Saint-Emilion é toda distribuída em colinas de calcário, as chamadas côtes. Além disso, é a comuna mais medieval de Bordeaux, chegando até a lembrar uma fortaleza. Os melhores vinhos da denominação saem do Château Cheval Blanc, Château Magdelaine ou Château Ausone.

Pomerol

A menor das sub-regiões de Bordeaux é também uma das que mais atraem olhares dos apreciadores da região. O mais curioso é que, até o início do século vinte, passava despercebida. O motivo da reviravolta? Simplesmente por ser a casa de um dos mais prestigiados châteaux do mundo, o Pétrus. É lá, portanto, que estão os vinhos mais caros de toda Bordeaux.

Mais de 70% da região é coberta por Merlot e o restante é praticamente exclusivo de Cabernet Franc. Isso porque seu solo resulta da mistura entre argila e carvalho, perfeito para ambas.

Nas melhores regiões de Pomerol nascem vinhos aveludados e ricos em notas de ameixa, cacau e violetas. Vinhos que combinam intensidade e elegância. É por essas características que é mais fácil encontrar Bordeaux de Pomerol num restaurante a um vinho de outras sub-regiões. Eles são fáceis de beber e não precisam de tantas anos de guarda para chegarem ao auge.

Entre-Deux-Mers

Como o próprio nome já diz, a região se encontra entre os rios Dordogne e Garonne. Nunca ouviu falar nela? Pois é… É um tanto quanto marginalizada mesmo, principalmente quando comparada às demais denominações de Bordeaux. Nunca seus vinhos foram classificados e a maioria dos tintos, inclusive, não segue as regras da denominação Entre-Deux-Mers, se enquadrando apenas como Bordeaux ou Bordeaux Superiéur (isso é assunto para a terceira parte do guia).

Lá, os brancos é que dominam. Feitos principalmente de blends de Semillón, mas também de Sauvignon Blanc e Muscadelle, são florais com um toque picante. E por não estagiarem em barrica, ganham leveza e frescor como nenhum outro.

Escrito em grego?

Afinal, como ler um rótulo de Bordeaux? Bordeaux Superiéur, Cru, Grand Cru… O que é tudo isso? Que classificações são essas? Não está entendendo nada? Calma, calma, vamos te ajudar!

Saber ler o rótulo de um Bordeaux não parece tarefa difícil. Basta conhecer as leis estabelecidas pelo conselho francês e “voilà”! Qual é a dificuldade, então?

Bom… Tudo começou em 1855 (antes mesmo da criação do conselho regulador), quando Napoleão III resolveu organizar o Julgamento de Paris, que classificou os melhores vinhos à época.

O problema disso? Esta classificação não considerou toda Bordeaux, então algumas denominações, sentindo-se inferiorizadas, criaram posteriormente as suas próprias classificações.

Premier Grand Cru, Grand Cru Classé, Grand Cru… E por aí vai! Acredite, são várias delas, todas com nomes muito parecidos. Mas três, as mais importantes, são usadas até hoje.

Classificação de 1855 (o tal Julgamento aí de cima)

Para o evento, os principais châteaux deveriam classificar seus vinhos do melhor para o pior e, então, seriam degustados, avaliados e distribuídos em cinco categorias.

Com apenas um vinho classificado, a vinícola já ganha um título vitalício! Funciona como um atestado, garantia de qualidade, e até os vinhos mais simples que da propriedade saem têm preços astronômicos.

Ao todo, 61 produtores foram classificados… E adivinhe só? A maioria deles está justamente em Médoc – fora isso, os outros que entram estão em Sauternes, Barsac e Graves.

Voltando ao julgamento…

Na ocasião, as categorias foram estabelecidas por faixas de preços dos vinhos. As mais caras, cujos vinhos são considerados Premier Cru, são seguidas pelos Deuxièmes Cru, e assim em diante até a quinta categoria.

Os mais conhecidos são os Premier Cru – Château Margaux, Château Latour, Château Haut-Brion, Château Lafite-Rothschild e Château Mouton-Rothschield.

Classificação de Graves (1953)

Quase um século se passou e Graves conseguiu classificar seus vinhos. Apenas 21 vinhos receberam tal honra, dentre eles, 13 tintos e oito brancos. Diferentemente da classificação anterior, todos estes são chamados de Grand Cru Classé.

Classificação de Saint-Émilion (1954)

No ano seguinte, foi a vez de Saint-Émilion classificar seus vinhos mais “tops”. E esta é considerada a mais diferente das classificações, pois, além de dividir nas categorias Premier Grand Cru Classé, Grand Cru Classé e Grand Cru (em ordem diminutiva), ela passa por uma revisão a cada década.

Só isso?

Não! Não basta entender de Cru e Grand Cru para ler facilmente os rótulos. Tem outros nomes e termos que é preciso conhecer.

  • Bordeaux Superiéur

Eis o típico nome que induz ao erro… Há quem pense se tratar de um vinho superior (afinal, é isso o que sugere o rótulo, não?), porém esta é uma das categorias mais genéricas da região.

Assim como a denominação Bordeaux, ainda mais simples que Bordeaux Superiéur, as uvas podem ter sido cultivadas em qualquer sub-região. O resultado? Um vinho com características mais genéricas da região, mas ainda sim uma excelente aposta para vinhos mais simples.

  • Château-o-quê?

Difícil mesmo é encontrar sequer um rótulo de Bordeaux sem a palavra “château”. O que parece ser uma mania local, na verdade, tem uma explicação pra lá de plausível.

Como a maioria dos vinhedos estava localizada no entorno de castelos (châteaux, em francês), as vinícolas acabaram sendo batizadas com seus nomes. Hoje, nem todas as vinícolas tem castelos próprios, mas mesmo assim são denominadas châteaux!

  • Mis en Bouteille au Château

Procure pela frase num rótulo e tenha a certeza de que as uvas do vinho que vai beber foram cultivadas e vinificadas no próprio château. Ao pé da letra, “Mis en Bouteille au Château” significa “engarrafado no château”, ou seja, é quando todas as etapas de produção de um vinho passaram aos cuidados do próprio vinicultor.

Por que preferir estes? Para conhecer a tipicidade de um terroir específico (pode acreditar que cada um deles tem características completamente únicas!).

Cadê as uvas?!

Ixi, percebeu que não falamos em uvas? Mais do que isso: percebeu ao manusear uma ou outra garrafa que elas não dão as caras por ali? Isso porque cada região de Bordeaux usa suas combinações de uvas, e só conhecendo a região, dá para descobrir que uvas o vinho leva.

Como escolher seu vinho Bordeaux ideal?

São tantas as denominações, características e cortes que até ficamos confusos… Mas, depois que você já leu tudo o que precisava sobre Bordeaux, já sabe como comprar um Bordeaux?

Ainda é um pouco difícil, dá para entender. Bordeaux é mesmo grande e complexo. Vamos acabar logo com as dúvidas. Qual tipo de vinhos você quer?

Prefiro os encorpados

Pensou em Cabernet Sauvignon? Vá direto para a margem esquerda, onde o solo quente favorece o cultivo da casta (nem precisa dizer que é a mais plantada, né?). É em Médoc que se concentram os vinhos mais encorpados de Bordeaux. Outras boas regiões são Saint-Estèphe, Saint-Julien e Pauillac. Os famosos Margaux são de lá e seguem a mesma linha.

Nada disso, quero algo refrescante e fácil de beber (e que não pese no bolso!)

Quando cada gole mata a sede, mas não é suficiente, é seguido por outro e outro… A expressão que usamos aqui? “Gluglu”! Claro que Bordeaux também tem deles. Acidez e frescor têm a ver com tudo isso. Procure por vinhos minerais, que descem redondo, como água. Os melhores são os brancos de [Pessac-Léognan]https://sonoma.com.br/comprar?utf8=%E2%9C%93&text_query=Pessac-L%C3%A9ognan), cheios de aromas que lembram pedras e o mar. Se prefere um tinto, opte por cortes com Petit Verdot.

Falando de brancos…

Algo que não se encontra com facilidade em Bordeaux são bons vinhos brancos. Mas eles existem, e seu lugar é Entre-Deux-Mers, região abraçada pelos rios (os dois “mares”) Dordogne e Garone. Sauvignon Blanc, Sémillon e Muscadelle deixam seus vinhos frescos, vivos e frutados, com bom corpo. Só não se esqueça de beber quando ainda são jovens, pois como a maioria dos vinhos brancos, são feitos para beber até três anos após o engarrafamento.

Vinhos complexos para bons conhecedores

Já experimentou de tudo e não se contenta com pouco. É normal – quanto mais aprendemos sobre vinho, mais queremos aprender. Uma boa aposta é a região da Saint-Émillion. Os vinhos mais legais de lá são feitos pelas mãos das próprias famílias em produções pequenas (até por isso são mais caros). Os vinhos de Saint-Émilion são tão elegantes que o rei Luis XIV os descreveu como “néctar dos deuses” (não são pouca coisa, não!). São vinhos de guarda, que aguentam anos envelhecendo e evoluindo – eles vão perdendo a cor e ganhando aquilo que chamamos de buquê, uma enxurrada de aromas terciários, complexos.

Vinhos exóticos? Desconhecidos?

Para você, vinho bom é aquele que rende boas histórias para contar? Então aí vai: procure por um autêntico Saint-Macaire, cuja uva homônima está quase em extinção, mas ainda é resguardada por alguns produtores locais. Saint-Foy-Bordeaux também vale a pena conhecer, é uma região pouquíssimo falada de Entre-Deux-Mers (pode ser tinto seco ou de sobremesa!).

E vinho doce, tem?

Uau, e como! É nas regiões de Sauternes e Barsac que estão os mais apaixonados (e apaixonantes) vinhos de Bordeaux (ao menos para aqueles que não abrem mão de um docinho, não importa a hora do dia). Sauternes é considerada a melhor região do mundo para vinhos de sobremesa, igualada apenas pelos Tokajis, da Hungria. São vinhos dourados e doces, mas elegantes, bem estruturados e complexos. Vale muito a pena provar.

Além disso, Entre-Deux-Mers possui boas denominações para vinhos de sobremesa: Loupiac, Saint-Croix-du-Mont e Cadillac. Guarde esses nomes – apesar de mais simples e menos populares, são encantadores e mais em conta (muito mais!).

Bordeaux para o churrasco?

Carnes que saem amaciadas pela brasa pedem por vinhos mais encorpados. Como já falamos, a Cabernet Sauvignon e a margem esquerda são ideias. Mas busque também os vinhos que levam Merlot, cujos toques terrosos combinam muito bem com o assado da brasa. As regiões são as mesmas que mencionamos, vá pela ordem: Saint-Estèphe, Pauillac e Médoc.

E naquele jantar especial?

Das duas uma: ou escolhe um vinho jovem, mas no ponto para beber, ou tira aquele que está há anos na adega. Caso não tenha um vinho na guarda, vá para Pomerol. É a terra do Château Petrus (o mais caro e famoso da França), mas também de onde saem Merlots que já nascem prontos para beber – fáceis, aveludados e não precisam de décadas para evoluir. São também mais fáceis de encontrar em restaurantes. Mas lembre-se, é um jantar especial, e se a ideia é brindá-lo com Bordeaux, não será barato (mas, acredite, vale muito a pena!).

Presentear também é impressionar

Um presente para seu pai, ou alguém que realmente vai apreciar um incrível vinho de qualidade? O nome Margaux é famoso, não só pelo mundialmente conhecido Chatêau Margaux, mas também pelos outros vinhos da região (dá para encontrar boas opções na média dos R$ 100). Elegância, refinamento, frutas, tostado, café e às vezes até trufas! Procure por vinhos de 2000, 2002, 2005 e 2009 e veja você mesmo.

Quer impressionar, mas não pode investir tanto assim? Graves é uma bela opção para tintos e brancos. Os Bordeaux que levam a denominação “Bordeaux Superiéur” costumam ser mais baratos, pois suas uvas podem ter sido cultivadas em qualquer sub-região. São mais simples, mas ainda assim uma excelente aposta.

Para esquecer na adega por décadas

Não é novidade… Bordeaux é um dos referênciais no mundo dos vinhos quando o assunto é guarda. Os vinhos das melhores safras podem durar 10, 20, 30… 50 anos! É até difícil de acreditar, mas é verdade. Nesse caso, não dá para apostar em qualquer vinho, não.

Aliás, longe disso. Estes vinhos não estão à venda em mercados comuns… Os mais famosos, Châteaux Petrus, Margaux, Lafite-Rothschild, Latour estão em apenas leilões, e custam oito mil, 12 mil, 20 mil reais.

Ainda não sei do que gosto

Como lidar? Experimentando! Claro, precisa ir aos poucos. Comece pelos frutados (tintos ou brancos) de Graves, pois são mais leves, e seus sabores agradam a qualquer um. Depois disso, passa para os que levam a uva Merlot, a mais macia de todas, fácil de beber. Depois, parta para os cortes com Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc, os clássicos dos clássicos de Bordeaux.

E aí, virou um craque em Bordeaux? Conseguiu ler todas as partes? Aposto que agora você já sabe tudo. Dê uma olhada em tudo e nos diga se faltou algo. Estamos aqui para isso!

Leave a comment

Your email address will not be published.


*