Aprenda A Harmonizar Todos Os Tipos De Pizza

tipos pizza como harmonizar dica sabores tipos pizza como harmonizar dica sabores

Somente no estado de São Paulo, são abrigadas mais de 12 mil pizzarias.

E no seu estado, tem ideia de quantas possam ser?

Bom, o fato é que já está consumado: brasileiro gosta de pizza!

E sempre tem um vinho por perto.Mas por que não aliar os sabores de cada um para que fique ainda mais perfeito?

Listamos os 20 tipos mais tradicionais de pizza e harmonizamos cada um deles!

Saiba como harmonizar cada pizza:

Pizza de Mussarela – Merlot ou Chardonnay

Parece fácil harmonizar a pizza de mussarela… Mas não vá pensando que é uma pizza tão simples assim! As características do queijo que prevalecem nela são o sal e a gordura.

Sendo assim, deve procurar justamente por vinhos com alta acidez e poucos taninos. Se forem macios, como o queijo, ainda melhor.

Mas é tão versátil que te deixa escolher: se prefere os tintos, vá para um Merlot da Serra Gaúcha; se prefere os brancos, o ideal é um Chardonnay mais encorpado e com notas amanteigadas.

Pizza de Atum – Vinhos rosé

Diferentemente de muitos peixes, o atum tem sabor forte e não é nem um pouco leve – ainda mais na pizza. É pesado demais para um branco, mas um tinto também pode passar facilmente por cima de seus sabores.

Ficamos com o meio termo: um vinho rosé, com corpo e estrutura de um tinto, mas notas frescas de um branco. Pode apostar que vão se dar muito bem!

Pizza de Calabresa/Peperoni – Jerez ou Riesling

Não importa exatamente qual o embutido, eles são, por natureza, salgados, bem condimentados e têm sabor intenso. São esses fatores que protagonizam a harmonização!

Um dos poucos vinhos que se podem sentir notas salgadas é o Jerez. Além disso, ganha cremosidade pela força do álcool, tem alta acidez e notas minerais, salinas e amendoadas.

Se for muito picante, nem o Jerez dará conta e a melhor saída será mesmo um levemente adocicado e ácido Riesling.

Pizza Marguerita – Chianti e outros Sangioveses

Mussarela, tomates e manjericão é que compõem uma das pizzas mais tradicionais de todas. É delicada e leve.

E os Sangioveses são, sem dúvida, os parceiros mais adequados para elas, pois têm estrutura e acidez para emplacar a gordura do queijo e acompanhar as notas frutadas do tomate e herbáceas do manjericão (se for Chianti, mais maduro e marcante, melhor ainda!).

Pizza de Quatro Queijos – Pinot Noir, Barbera ou espumante

Gorgonzola, parmesão, mussarela e catupiry. É dessa intensa e harmoniosa combinação que nasce a pizza de quatro queijos. Pode esquecer os taninos, eles estragariam a combinação.

Pense nos vinhos mais ácidos que pode encontrar, e os menos tânicos também: Pinot Noirs e Barberas que não passaram por madeira são os tintos ideais; agora, tente com um espumante e verá: a borbulha deles limpam o paladar como nenhum outro vinho.

Pizza de Rúcula – Sauvignon Blanc

É a mais leve das pizzas, pode apostar! Seus toques herbáceos se sobressaem a qualquer outro sabor – mas, claro, sem deixar de ser uma pizza. Leveza, notas herbáceas, acidez…

É de um Sauvignon Blanc bem típico que estamos falando.

Pizza Napolitana – Pinot Grigio

Parmesão ralado, alho cru e manjericão seco não parecem ser parceiros de uma mesma gangue. Mas quem acha isso é porque ainda não conheceu a poderosa chefona Napolitana.

A pizza, uma das que os italianos mais gostam, mas os brasileiros ainda não conhecerem muito bem, tem um sabor muito peculiar.

Puxando mais para o lado frio do que quente da vida, tem marcas muito presentes (e muito fresco) dos vegetais, com um toque salgado e até certo ponto cremoso do parmesão.

Nem pense nos tintos e encorpados, esta pizza pede leveza e frescor, neutralidade e delicadeza. Pinot Grigio!

Pizza Baiana – Gewürztraminer

Ô pizza arretada! Seja com linguiça calabresa ou toscana moída, com muito ou pouco queijo, com ou sem cebola, é da pimenta que estamos falando. Potente, forte, adormecer os lábios, encher a pança e dar sede.

É esse o ponto: precisamos abaixar o fogo e matar a sede (até por isso vai tão bem com cerveja, mas não é o caso). Conhece a uva branca Gewürztraminer?

É, sem dúvidas, o melhor vinho para pratos picantes, e tem até um toque apimentado que deixa na língua a lembrança bem marcante da harmonização.

Pizza Portuguesa – Jerez

Presunto, mussarela, ovos cozidos, cebola, ervilhas… São tantos os ingredientes da pizza, e não é só isso que a torna difícil harmonizar – o ovo é um dos maiores desafios das harmonizações.

Mas é com nada mais nada menos que Jerez que nos colocamos diante deste desafio. Um dos únicos vinhos capazes de harmonizar ovo, e ainda vai conversar super bem com o presunto.

Pizza de Frango com Catupiry – Vinho rosé ou Pinot Noir

Basta uma mordida para ter a certeza de que frango e catupiry foram feitos para acabarem, juntinhos, na pizza. E ai do vinho que vai acompanhar uma combinação tão harmoniosa.

Todo o cuidado é pouco para aguentar a gordura e corpo do queijo, e a delicadeza do frango (não podemos nos esquecer que é uma carne branca). Pensando por esse lado, os vinhos rosés parecem perfeitos, assim como são os Pinots.

Corpo leve e boa acidez são duas características que acompanham os dois – e são mais do que necessárias para a harmonia perfeita.

Pizza de Catupiry – Chablis ou Chenin Blanc

Como bom queijo cremoso, vai derretendo pela boca e espalhando seus sabores. Delicado, cremoso, macio, “queijudo”…

Ah, e apenas uma mordida na pizza de catupiry é necessária para sentir tudo isso à boca por um tempão. Chardonnays sem passagem por barrica, como os Chablis, são perfeitos para acompanhá-los, pois emprestam o frescor que falta à pizza.

Se preferir um vinho ainda mais delicado, pode apostar num Chenin Blanc. Ah, e guarde a dica, pois funciona com qualquer borda de catupiry também!

Pizza de Aliche – Espumantes

A mais salgada das pizzas é, justamente, a de aliche. Dá para sentir a pizza saindo do forno – mesmo a metros de distância – de tão forte e único que é o ingrediente.

Mas não é tão difícil quanto parece encontrar seu acompanhante perfeito: qualquer bom espumante fará seu papel.

Vai refrescar e limpar o palato para a próxima mordida, além de acrescentar cremosidade às garfadas tão salgadas.

Pizza de Bacon – Torrontés de Salta

Ah, e quem não gosta de bacon? Não é muito comum encontrar por aí uma pizza de bacon necessariamente dita, mas, sim, em companhia a milhos, champignons, catupiry…

Não importa, pois é o bacon que prevalece, com todo o seu poder salgado e defumado. A sorte é que porco, ao contrário do que muita gente pensa, não é tão pesado assim.

Ele só precisa de um pouco de frescor, e nada melhor do que as flores carnudinhas de um Torrontés de Salta (se der sorte, vai até encontrar uns toques defumados para casarem mais ainda com a pizza!).

Pizza de Palmito – Chardonnay

Quando ao queijo da pizza o palmito se funde, fica ainda mais macio do que já é por natureza.

E o ingrediente, levemente salgado, domina o prato com seus sabores únicos. E os Chardonnays do Novo Mundo, frutados e bem gordinhos, vão cair super bem.

Pizza de Cogumelos – Pinot Noir, Merlot ou Carménère

Terroso é, definitivamente, a palavra que melhor traduz os sabores de uma pizza de shimeji, shitaki e outros cogumelos frescos. E a pizza pode até ter outros ingredientes – e certamente terá -, mas o cogumelo ainda vai se sobressair.

A nossa sugestão? Um vinho tão terroso quanto a pizza: Pinot Noir, Merlot ou Carménère.

Pizza de Champignon – Merlot ou Bordeaux

Como bom cogumelo, o champignon também é carnudinho e traz notas terrosas, mas bem mais suaves. Ele é mais mediterrâneo, fresco, mas é a conserva que o diferencia dos outros – geralmente bem acompanhado de um bom azeite, é mais macio.

Levemente terroso e macio? Não é que são as mesmas características de um Merlot?! Se for uma ocasião bem especial, pode até apostar num Bordeaux da margem esquerda, onde a uva predomina nos cortes.

Pizza de Alcachofra – Moscato D’Asti

Quem gosta de vinho e gosta de alcachofra já sabe: eis um dos ingredientes mais difíceis de harmonizar que existe.

Mas, quando o assunto é pizza, molho de tomate e queijo, o que parece representar um grande desafio, dá para tirar de letra – combater o amargor das alcachofras não é fácil, mas nada que o dulçor de um bom Moscato D’Asti, o famoso espumante do Piemonte, não faça.

Pizza de Alho – Vinhos rosé

Forte que só ele, o sabor do alho na pizza deixa a boca amarga até o final da noite… E nem adianta tentar mascar bala ou chiclete, escovar os dentes, pois nada o tirará do paladar.

A não ser uma coisa… Vinho rosé! Vai limpar o palato com sua boa acidez e ainda deixar um amargorzinho no final de boca, como o ingrediente.

Serviço:

1900

Alameda Nhambiquaras, 573 – Moema (confira outros endereços no site)

Bráz Pizzaria

R. Sergipe, 406 – Higienópolis (confira outros endereços no site)

Margherita

Alameda Tietê, 255 – Cerqueira Césa

Pizzaria Speranza

R. 13 de Maio, 1004 – Bixiga

Av. Sabiá, 786 – Moema

Primo Basílico

Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 1864 – Jardins

Acesse o Melhor Site para Comprar Vinhos. www.sonoma.com.br

Leave a comment

Your email address will not be published.


*