Um “vinhaço” de guarda brasileiro

Reparou como já é possível encontrarmos vinhos brasileiros de guarda de ótima qualidade? Apesar de raros, já que o processo de envelhecimento ainda vem sendo experimentado, algumas vinícolas tem conseguido se destacar cada vez mais nesse quesito. Uma delas é o Atelier Carrau; Estranhou o nome?

Pois é assim que este produtor se caracteriza: como atelier. Afinal é essa a palavra que usamos para designar locais onde se trabalha com arte, e este vinho de aroma inebriante, é realmente trabalho de um artista. Descubra o porquê!

A tradição da família Carrau

O Atelier Carrau possui muita tradição, e não é só no nome. A família Carrau iniciou sua produção em 2 de abril de 1752, quando Francisco Carrau Vehlis anexou a sua propriedade de Vilasar de Mar (vilarejo próximo de Barcelona) um vinhedo chamado “La Mañana”. Séculos e gerações depois, Juan Francisco Carrau iniciou o plantio das videiras que originaram os novos vinhedos da família, localizado na divisa do Brasil com o Uruguai, Juan foi o grande responsável pela produção das uvas Cabernet Sauvignon e Gewürztraminer utilizadas em seus vinhos.

Vinícola Atelier Carrau

Vinho Velho do Museu 2009 Gewürztraminer

A Gewürztraminer é, por natureza uma casta bem aromática, mas neste rótulo, ela se superou. Não à toa, conquistou espaço entre os nossos vinhos brancos preferidos. De aromas tostados, remetendo a avelãs e frutas secas, o Vinho Velho do Museu 2009 Gewürztraminer é ideal para se levar ao decanter sem medo, resultando na acentuação de suas notas herbáceas. De sabor terroso, ele acompanha o paladar por um longo período.

Este, é um vinho onipresente: ele está na taça, no paladar e principalmente na mente.

Vinho Velho do Museu 2009 Gewürztraminer

Harmonização: Para complementar o sabor terroso presente no vinho, um risoto de funghi com azeite trufado, é o ideal.

Quanto custa: R$ 115 (um “vinhaço” assim, é raro de ser encontrado).

Conheça os vinhos da Sonoma


Quer saber mais? Veja também outros artigos relacionados.