Conheça nesse artigo as 6 principais uvas portuguesas, das mais importantes regiões vinícolas de Portugal e seus vinhos.
7 uvas portuguesas portugal vinho touriga nacional douro

As 6 principais uvas portuguesas que você precisa conhecer

Explore os vinhos feitos das principais uvas portugueses além da Touriga Nacional

Quem é apaixonado por vinhos de Portugal sabe: às vezes é difícil reconhecer as principais uvas portuguesas utilizadas na elaboração de seus vinhos pelo nome. Isso acontece porque o país ibérico é casa de, nada menos, que mais de 280 uvas nativas, utilizadas quase sempre em cortes, ou blends,  de vinhos singulares e repletos de personalidade. 

Dos tradicionais tintos e brancos, até os vinhos do Porto e de Vinho Verde, selecionamos as 6 principais uvas portuguesas que você precisa conhecer.

Quais são as uvas portuguesas que você precisa conhecer?

Vamos começar pelas uvas tintas?

1. TOURIGA NACIONAL

Conhecida como a rainha das tintas de Portugal, a Touriga Nacional é uma uva originária do Dão, segunda região demarcada do país e conhecida como a Borgonha Portuguesa. Essa casta é comum também no Douro, região vitícola portuguesa mais famosa.

A Touriga Nacional ganhou sua fama por ser a uva destinada à produção do vinho do Porto, mas ganhou status de estrela quando produtores apostaram nela para elaborar vinhos secos também. Com frutos pequenos e casca com coloração negro azulada, seus  vinhos tendem a possuir aromas e sabores intensos, passeando pelas frutas pretas, como ameixas e mirtilos, flores como violeta e concedendo também toques de hortelã. 

Versátil, é capaz de produzir vinhos elegantes e encorpados, com grande concentração de taninos, alto teor alcoólico e excelente acidez. 

Conheça os vinhos feitos com a Touriga Nacional.

2. CASTELÃO

Conhecida também por Periquita, João de Santarém ou Castelão Francês, a Castelão é uma uva tinta cultivada em quase todas as regiões de Portugal, em especial no Douro, Alentejo e Setúbal. Os vinhos elaborados com essa casta estão entre os mais consumidos no país.

A Castelão é uma uva com grande concentração aromática, taninos bem marcados e com alto potencial de envelhecimento, e pode ser combinada a outras uvas da região. O resultado são vinhos de corpo médio, com boa acidez e com aromas e sabores de groselha, ameixa, morangos e leves toques de café.  Mas não é só isso, a Castelão também pode ser usada para elaborar blends e rosés fáceis de beber. 

Os vinhos feitos dessa uva podem acompanhar aves, carnes e até frutos do mar.

Aqui você encontra os vinhos portugueses feitos da uva Castelão.

3. TINTA RORIZ, A PORTUGUESA TEMPRANILLO

Você com certeza já ouviu falar da Tinta Roriz, talvez pelos nomes Aragonez ou Tempranillo.  Essa famosa casta é comumente encontrada em toda a Península Ibérica, principalmente nas regiões do Dão e no Douro em Portugal, além de diversas áreas na Espanha. 

Em Portugal, a Tinta Roriz é geralmente combinada com outras castas e também usada na produção de vinhos do Porto. Com cachos grandes e de alta produtividade,  a uva pode dar vida a vinhos mais jovens, leves e frutados. Já o vinho feitos de frutas proveniente de vinhas velhas de baixo rendimento se transforma em força, com grande potencial de guarda.

Com casca fina,  seus vinhos podem variar entre as cores vermelho rubi médio a granada, com altos níveis de tanino e acidez. Espere encontrar aromas de cereja, figo seco, endro, cedro e também tabaco.

Vai bem com carnes vermelhas e de caça e com massas com molhos vermelhos. Experimente com wagyu na parrilla ou com um bom spaghetti à bolognesa. 

Conheça nossa seleção de vinhos feitos com a Tinta Roriz.

4. TRINCADEIRA OU TINTA AMARELA

A Tinta Amarela ou Trincadeira é mais uma grande uva autóctone de Portugal. É amplamente cultivada nas regiões do Dão, Douro, Tejo e também no Alentejo. 

Exigente, a Tinta Amarela necessita de cuidados no seu cultivo. Seus frutos são delicados e vulneráveis a doenças, por isso, se adapta melhor a regiões de clima seco. Na vindima todo cuidado é pouco, se for colhida muito cedo irá dar vida a vinhos sem sabor, se ficar demais na videira, os vinhos não terão acidez.

Mas quando o processo é meticuloso, os vinhos com a Tinta Amarela alcançam grande acidez e taninos redondos.

Essa casta pode elaborar vinhos de complexidades diferentes. Os mais jovens costumam ter aromas herbáceos e toques de flores, enquanto os vinhos com potencial de guarda revelam aromas de frutas vermelhas e especiarias. 

É uma excelente opção para acompanhar carnes vermelhas e de caça, carne suína e pratos condimentados. Vai muito bem com culinária indiana e tailandesa, além de ser perfeito com barriga de porto à pururuca. 

Encontre os portugueses feitos com a Trincadeira.

Agora, chegamos nas uvas brancas!

5. ALVARINHO

Alvarinho, ou Albariño, é uma uva branca  comum na Península Ibérica, presente em Portugal e também na Espanha. Em terras portuguesas é comum encontrar essa casta na região de Vinho Verde, elaborando vinhos secos refrescantes, levemente gasosos e níveis alcoólicos mais baixos. 

Conhecida também como a mais importante uva branca de Portugal, a Alvarinho produz vinhos elegantes e complexos, de cor palha e reflexos citrinos, com  aromas de raspas de limão, toranja, melão, nectarina e toques minerais. Em geral, são vinhos redondos e persistentes no paladar. 

Para valorizar a frescura da Alvarinho, muitos enólogos preferem não envelhecer a uva em barris de carvalho. Porém, quando isso acontece, encontramos ainda aromas de brioche, amêndoa crua e cítricos. 

Vinhos com a Alvarinho combinam perfeitamente bem com peixes, carnes brancas, saladas e queijos.  Experimente com risoto de frutos do mar, com burrata e tomates, ou com caesar salad.

Aqui uma seleção especial de Vinhos Verdes feitos com a Alvarinho.

6. FERNÃO-PIRES

Fernão-Pires, também conhecida como Maria Gomez, é a uva branca mais cultivada em Portugal, em especial na região de Bairrada. Os vinhos elaborados com essa uva entregam muitos aromas florais e  possuem corpo médio. 

Essa casta é generosa, sua alta produção às vezes necessita de controle de cachos nas videiras para manter a qualidade dos vinhos e espumantes. Assim como a Tinta Amarela, a Fernão-Pires exige cuidado na vindima para não criar vinhos sem sabor ou com baixa acidez.

É comum encontrarmos blends de Fernão-Pires, e seus vinhos podem trazer aromas de lima, pêssego, flores de laranjeira, madressilva e cravo. 

Na harmonização, vai muito bem com alimentos frescos, como folhas e legumes verdes, com comida japonesa e carnes brancas. 

Conheça os brancos portugueses feitos com a uva Fernão-Pires.

O Sonoma Market tem orgulho de sua curadoria de vinhos portugueses, tanto os de importação própria quanto os rótulos selecionados de nossos parceiros. Conheça nossa seleção de vinhos de Portugal!

Nossa Indicação: Herdade do Esporão Pé Tinto 2021

Herdade do Esporao Pe Tinto 2021
Por Alykhan Karim
Co-fundador e CEO de Sonoma Market

Você também pode gostar

Deixe um Comentário